• janeiro 7, 2021

Startup Bauruense desponta no mercado e conquista grandes clientes

Case da Startup Obrafit

Startup Bauruense desponta no mercado e conquista grandes clientes

Startup Bauruense desponta no mercado e conquista grandes clientes 1001 616 Firework

Conheça o case Obrafit, nossa cliente que nasceu em 2015 e deu um grande salto no seu desenvolvimento em 2016, por meio da parceria com a Firework. Hoje, no seu portfólio, conta com projetos em grandes empresas como Sicoob e Ambev. Em 2020 foram destaque na banca de Construção Civil, Infraestrutura e Mercado Imobiliário do ciclo 2020.1ª da Inovativa Experience, maior programa de aceleração de startups da América Latina. 

Conheça a Construtech Obrafit

Criado para agilizar os processos de tomada de decisão e ter muito mais controle financeiro nas obras, com apoio e assistência total na utilização do sistema, o Obrafit é voltado para construtores(as), gerenciadores(as) de obras e arquitetos(as). 

A solução tem o objetivo de melhorar a experiência dos proprietários e facilitar a interação com clientes, parceiros e equipes. 

Saiba mais sobre a Obrafit no Firetalk#2 com o sócio-fundador Adolfo Ribeiro:

Cenário inicial do projeto

O projeto era promissor, Adolfo já tinha desenhado toda a lógica e as telas do sistema, o que faltava era uma equipe técnica de ponta, com custo que se encaixasse no orçamento apertado da startup. Foi aí que procuraram a Firework para criar o sistema Obrafit.

Mas essa relação já havia começado antes. Adolfo e Fernando Hideo, que hoje é sócio da Firework, se conheceram quando trabalhavam em um projeto de implementação de ERP de uma grande construtora de Bauru.

Passado um tempo, Adolfo saiu do interior e teve algumas experiências em empresas em São Paulo, mas retornou a nossa querida “Cidade Lanche” para começar a desenvolver o sistema (Obrafit). Em uma confraternização de final de ano, ficou sabendo que o Hideo havia se juntado à Firework, junto com o Polito e depois com o Fabrício, e foi logo procurá-lo para fazer o sonho virar negócio.

Por que escolheram a Firework?

Adolfo relata que escolheu a Firework porque conhecia a ética e a qualidade técnica das pessoas do time, portanto sabia que a qualidade do serviço e da experiência como cliente seria de alto nível.  Além disso, sabia que o fato de estarem mais próximos, em Bauru, facilitaria muito o andamento do projeto. 

Mas também houve um outro fator crucial para a escolha, o valor do serviço era muito mais acessível, comparado aos de empresas com a mesma qualidade em São Paulo, por exemplo. 

“Aqui, a gente conseguiu um custo melhor com a melhor qualidade que a gente encontrou para fazer o desenvolvimento.” – Adolfo Ribeiro.

Principais desafios do projeto

Durante o projeto, um dos principais desafios foi a comunicação à distância com seus sócios e com os programadores no início do projeto, pois Adolfo passou um tempo fora do país. Mas, na verdade, percebeu que a maior dificuldade era conseguir transmitir suas ideias pelo Gitlab de forma clara. Isso porque como idealizador do projeto, tinha uma visão do todo. Já o programador, sabe fazer as conexões dentro do sistema. A ideia pode parecer diferente para cada um, portanto, a passagem clara das informações, por meio de explicações sucintas e objetivas, é essencial para o desenvolvimento do produto.

“Depois, conforme aumentamos a maturidade da minha relação com o programador, a complexidade da explicação começa a diminuir e o entendimento ficar mais fluído, tanto que, agora, eu explico ⅓ do que eu explicava antes e o programador entende mais do que ele entendia com explicações muito mais complexas.” – Adolfo Ribeiro. 

Contudo, o start desse começo costuma ser um pouco mais lento, devido alguns obstáculos como recursos limitados. Mas, começando a conquistar seus 20, 40, 60 clientes, se mantiveram escalando e agora a gente está chegando em um crescimento melhor, superando as dificuldades iniciais comuns em novos negócios.

Conquistas e aprendizados

Com o trabalho da Firework, foi possível não apenas lançar o sistema web e o aplicativo, com as funcionalidades almejadas no projeto, mas também avançar rapidamente nas modificações. Depois de passar esse período de crescimento mais lento, comum nas fases iniciais de startups, passaram de 100 usuários no sistema, assumindo projetos de grandes empresas, como Sicoob e Ambev.

Além disso, conquistaram o prêmio de destaque na banca de Construção civil, Infraestrutura e Mercado Imobiliário do ciclo 2020.1ª da Inovativa Experience, maior programa de aceleração de startups da América Latina. Também participaram do Web Summit, a maior conferência da Europa em tecnologias. E as expectativas são de crescimento:

“Acho que a gente só tende a aumentar, tanto o número de assinantes da Obrafit, quanto às possibilidades de customização para outros clientes, como o que estamos fazendo para a Ambev.” – Adolfo Ribeiro.

Como cliente da Firework, Adolfo destaca a importância de ter um software house como suporte e uma equipe completa, com profissionais de UX, UI e Banco de Dados, para abranger todos os elementos necessários que vão além das skills de um programador trabalhando sozinho. 

Também ressalta que não adianta achar que o sistema será desenvolvido “da noite para o dia” ou que os ganhos virão sem investimento. Além do mais, é importante considerar também o investimento necessário para alterações e correções, que é fundamental para a evolução da solução. Nesse, destaca a importância de ter a Firework como: 

“O investimento deve ser constante, abranger alterações, correções de bugs, então é necessário ter um budget para manter a software house à sua disposição, para prestar esse serviço de manutenção do servidor, suporte segundo nível e entre outras coisas.” – Adolfo Ribeiro.

O que achou deste estudo de case? Acompanhe nossas mídias sociais para mais conteúdos como este 😉

 

Deixe um Comentário

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

    Join our Newsletter

    We'll send you newsletters with news, tips & tricks. No spams here.